Tive uma ideia! E agora?

De repente você teve aquela ideia revolucionária. Pode ser um aplicativo, um site, um blog, um novo produto. O primeiro sentimento é de extrema empolgação para tirar a ideia do papel. Você vai pensando cada vez mais nisso, imaginando como seria cada detalhe, escreve umas coisas aqui, desenha outras ali, conta para seus amigos. As principais situações após isso são:

1- Você está com tantas tarefas que acaba deixando a ideia morrer aos poucos, como todas as outras que você pensou anteriormente.
Em alguns casos, depois de meses, alguém lança exatamente aquela ideia e você diz: “Eu deveria estar rico com aquela ideia”. Não se sinta orgulhoso de falar esse tipo de coisa, isso é o atestado de incompetência do mundo moderno.

2- Você acredita que sua ideia é perfeita e desenvolve a todo custo, esquecendo de quem vai comprar o seu produto.
Você acha que todo mundo vai comprar a sua ideia, pois ela é realmente maravilhosa. Procura parceiros para tocar o projeto com você, faz eventuais contratações, passa noites em claro trabalhando e finalmente lança o projeto. A ideia pode dar certo, mas a chance de não vingar é enorme. Aí, meu caro, você perdeu dias e noites de trabalho, neurônios, e quando a ideia foi lançada, o retorno não foi do jeito que você esperava. Não surgiram clientes suficientes, as adesões foram poucas… Mas claro, você esqueceu de validar uma perguntinha básica: seu cliente realmente vai estar interessado em comprar o seu produto?

Para evitar que essas situações acima aconteçam, você precisa comprar essa bola de cristal de 400gr validar sua ideia.

Então você pergunta: como validar uma ideia? 

Aqui vão algumas dicas:

1) Ponha sua ideia num Canvas

Business Model Canvas é uma ferramenta que ajuda na construção rápida e visual de novos produtos ou serviços. Em breve vou postar aqui sobre como fazer um Canvas e dar recomendações de leitura, mas você não precisa ficar esperando por mim. Aprenda no Google, é facinho facinho. Colocando no Canvas, você vai conseguir ter uma visão mais ampla de como criar uma proposta de valor através da sua ideia.

Business Model Canvas

2) Faça um MVP

MVP significa Mínimo Produto Viável. Ele é muito bom para ajudar a validar se sua ideia vai vender ou não, antes que você gaste tempo e dinheiro desenvolvendo o produto. O objeto do experimento não será o software em si (até porque você ainda não o desenvolveu), mas outros componentes que permitem validar hipóteses do negócio. Por exemplo, o MVP pode tomar forma de uma campanha de anúncios no Google Adwords combinada com a criação de uma landing page para testar o interesse dos consumidores no produto, ou uma campanha no Facebook que direcione para uma página de inscrição para testar o produto quando estiver pronto.

Exemplos de MVP:

1) Groupon

MVP Groupon

O primeiro site do Groupon era um blog simples feito em wordpress. Os cupons eram enviados por e-mail manualmente, depois de ser gerado um PDF.

2) Dropbox

O exemplo do Dropbox mostra que, às vezes, não é preciso nem escrever código para lançar um MVP. O produto mínimo deles foi um vídeo que explicava os recursos da ferramenta, e foi mostrado para uma comunidade de Early Adopters através do Digg (comunidade que abriga muitos lançadores de tendência na internet). Era o próprio fundador falando enquanto mostrava a tela do computador.

3) Facebook

mvp_facebook

Mark Zuckerberg teve a ideia do Facebook em janeiro e lançou a primeira versão do site em fevereiro. Ele desenvolveu em apenas um mês o site que viria a se tornar o fenômeno social e econômico que é hoje. Com a resposta positiva dos primeiros usuários, ele saiu do estágio de uma ideia na cabeça para um produto extremamente promissor (e real) no intervalo de dois meses. Como ele mesmo diz, “Nós construímos e não esperávamos que fosse uma empresa, construímos porque achamos que era uma coisa sensacional.”.

É importante ter em mente que um MVP não é simplesmente uma versão simplificada de seu produto. Ele deve possuir um propósito claro de validação para você aprender algo com seus primeiros usuários, além de um conjunto de métricas que você irá monitorar para evoluí-lo até que chegue ao seu produto final.

3) Venda o que ainda não tem

Crie uma apresentação em Power Point ou Keynote sobre o produto e vá ao mercado. Através dessas visitas você terá uma noção muito mais clara sobre a aceitação do produto por parte dos clientes. Ok, eu sei que pode ser um pouco chato marcar uma reunião com um possível cliente e ter que mostrar algo que ainda não existe, mas pense bem: pior que isso é passar meses desenvolvendo algo que pode não ser aceito.

Essas 3 dicas vão fazer com que você ganhe um tempo precioso e tenha uma visão bem mais clara sobre a aceitação da sua ideia por parte dos clientes.

Fecho esse post com uma citação:

“A vida é curta demais para construir um produto que ninguém quer.”
Ash Maurya, autor de “Running Lean” 

Comments

comments

One thought on “Tive uma ideia! E agora?

  1. Crie um negócio resolvendo um problema próprio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>